SindVigilantes participa da 15º Plenária/Congresso Extraordinário e Exclusivo CUT.

Na data em que completa 34 anos, nesta segunda-feira (28/08), a CUT começa a discutir seus rumos como maior central sindical da América Latina em sua “15º Plenária/Congresso Extraordinário e Exclusivo: 100 anos depois…A luta continua! Nenhum Direito a Menos”. O evento lembra o centenário da primeira greve geral no Brasil e os 100 anos da Revolução Russa.  O Congresso vai abrigar uma exposição sobre a greve geral de 1917organizada pelo Centro de Documentação e Memória Sindical (Cedoc/CUT) e pela Secretaria de Cultura da CUT, em parceria com o Arquivo Edgard Leuenroth, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Em São Paulo, os debates começam pela manhã, com análises sobre a conjuntura internacional pelo embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, João Felícia (presidente da Confederação Sinsical Internacional) e ojornalista Luís Nassif.  Em seguida, o debate prossegue com Fausto Durante, da Confederação Geral Italiana do Trabalho (CGIL); Hugo Yasky, da Central de Trabalhadores da Argentina (CTA); e Victor Baez, secretário-geral da Confederação Sindical dos Trabalhadores e das Trabalhadoras das Américas (CSA).

De acordo com o diretor de imprensa do SINDVIGILANTE, Jefferson Fernandes, a conjuntura nacional é um debate que merece diálogo e muita reflexão, pois estamos em estado permanente de golpe. “Não podemos vim e ficar dialogando, precisamos de unidade e ação, o desafios é enfrentar com coerências, transformar a nossa sociedade em militantes conscientes, são tantos desafios, que uma manhã e tarde, não dará, mais tentaremos”, explica Jefferson.

“Precisamos atualizar coletivamente a nossa análise de conjuntura, as estratégias e o plano de lutas construindo a unidade com os movimentos sociais para enfrentarmos e lutarmos contra os retrocessos para a classe trabalhadora, em defesa da democracia e por um país mais justo”, comenta Rejane, diretora de Políticas para Mulheres do SindVigilantes.